Artigos/Técnicas

O QUE O DESENHO ME ENSINA | Reflexões sobre Prática do Desenho

Este é o vídeo piloto da nova série onde procuramos extrair da prática desenhística saberes para além de conteúdos técnicos do Desenho. Desapego, resiliência, alteridade, criatividade e auto-análise são alguns dos elementos que investigaremos, sempre em torno das lições que aprendemos desenhando.


O exercício constante do desenho – o treino, a disciplina, a prática tão preconizada nos livros e manuais não significa uma demanda de exclusividade ou repetição obsessiva do desenhista. A prática não está circunscrita à operacionalização do desenho, ela está vinculada ao exercício permanente de pesquisa estética, e extrapola o espaço determinado da técnica aplicada.

Mais do que aplicar sombra e luz e perspectiva em um papel, o desenhista se sintoniza com a tradição na disposição permanente de investigação sobre o que mobiliza sua vontade.

A prática demanda, de fato prioridade:  é mais do que experimentação de materiais, cópia, repetição – é o teste dos limites de nosso conhecimento. A pergunta final a que o desenhista deve responder com sua prática é: o que eu desejo? A prática exige humildade, aceitação do lugar do desconhecimento, do lugar de não saber o que vem a seguir porque o próximo passo é sempre o novo, e por isso, nos dá medo. Medo é o desconforto de não saber agir diante de algo – justamente porque é inédito, ainda não registrado no repertório das experiências convencionadas. Medo é a insegurança da exigência de inventar novos modos de agir para além daqueles já pautados pelo hábito, testados pelo costume.

A prática que nos leva à constante experimentação, nos coloca sempre diante de algo novo, e não nos reconhecemos na própria reação que ele nos desperta. Ela exige a invenção de soluções plásticas que forjam a constituição de um saber prático na experimentação. Deste modo não mais nos identificamos com aquilo que elegemos para ser segundo as reações programadas que nos informam a nós mesmos aquilo que somos. O contato com o novo, com o experimental, nos “desidentifica”, nos retira a estabilidade do saber e nos coloca onde então perdemos momentaneamente nossa identidade, nosso “eu mesmo”.

É na prática do desenho entendida como pesquisa estética que podemos nos descobrir e só então revelar o novo: pois para descobrir é necessário aceitar que algo nos é desconhecido; algo que é fundamentalmente nós mesmos – algo que é o ‘eu’ do desenhista que será afetado e transformado pela prática. Aceitar o desconhecido que habita em nós exige, sobretudo desapego, pois desenhar é desver.

GUSTAVOT DIAZ “Selfie portrait” (em processo…)
Da série “Corpo Imaginário” carvão e pastel sobre papel Mi-teintes 2017

VÍDEO

roteiro, apresentação & edição | GUSTAVOT DIAZ
filmagem & edição | ISE FEIJÓ
http://isefeijo.com

Os próximos serão publicados exclusivamente em nosso canal Youtube!
Inscreva-se para receber os próximos capítulos: https://youtu.be/SjAk-0zTdhk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s